Marx Beltrão diz que Vélez “já deveria ter deixado o MEC há muito tempo”

 

Coordenador da bancada de Alagoas no Congresso Nacional e membro da Comissão de Educação na Câmara, o deputado federal Marx Beltrão (PSD-AL) disse nesta segunda que o ex-ministro Ricardo Vélez Rodríguez, “já deveria ter deixado o MEC há muito tempo”.

Colecionador de declarações polêmicas e ações bastante questionadas à frente do Ministério da Educação, o ministro Ricardo Vélez teve sua demissão anunciada nesta segunda-feira. A permanência de Vélez no cargo tornou-se insustentável desde que o mesmo compareceu à audiência pública da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados duas semanas atrás. O titular da pasta foi bastante criticado por não conseguir responder aos questionamentos dos parlamentares.

O descrédito de Vélez está relacionado a declarações polêmicas, entre elas a obrigatoriedade da execução do hino nacional nas escolas de ensino fundamental e médio, ideia da qual ele acabou voltando atrás; a frase de que as universidades públicas “não são para todos”; a de que brasileiros ‘viajando são canibais”; a de querer colocar em livros didáticos patrocinados pelo MEC slogan de campanha de Bolsonaro, o que é vetado em lei; e a proposta de revisar livros didáticos que abordam o golpe de 64.

“Antes de comparecer à Comissão de Educação, já havia motivos mais que suficientes para que o ministro deixasse o cargo. Foi uma série de trapalhadas, trocas consecutivas na equipe que mal havia começado e, claro, não ter apresentado um programa, um projeto de verdade para a Educação, em três meses no cargo”, afirma.

Veja também  Morre um dos fundadores da Faculdade de Medicina da Ufal

O alagoano avalia que essas semanas que o ministro ainda seguiu no cargo só acentuou a crise na pasta e colocou em risco a realização do Enem, uma das principais atribuições da Educação.

“Até o Enem estava ameaçado com essa gestão desastrada. Imagine, cerca 5,5 milhões de estudantes brasileiros, que lutam por uma vaga no ensino superior, poderiam ser diretamente prejudicados. É muito grave. A passagem foi rápida, mas desastrosa para a Educação. Espero que a nova gestão dê respostas rápidas”, observa Marx.

O presidente Jair Bolsonaro anunciou o professor Abraham Weintraub para o cargo. “Abraham possui mestrado em Administração na área de Finanças pela FGV e MBA Executivo Internacional pelo OneMBA, com título reconhecido pelas escolas: FGV/Brasil, RSM/Holanda, UNC/Estados Unidos, CUHK/China e EGADE-ITESM/México. Tem ampla experiência em gestão e o conhecimento necessário para a pasta”, escreveu Bolsonaro em sua conta no Twitter.

“Espero que com o novo ministro o MEC possa avançar. Muito mais importante do que questões ideológicas é buscarmos a melhoria da educação nacional, garantindo infraestrutura, transporte, material escolar, merenda… E especialmente garantindo melhores salários e melhor qualificação para os professores e para os profissionais da educação” disse Marx Beltrão.

 

Compartilhe: