Embu das Artes tem inscrições abertas para curso de saneamento ecológico

O evento vai abordar teoria e prática para a instalação residencial de tratamento de esgoto com o uso de plantas

Divulgação ( Divulgação )

Embu das Artes, SP, 10/08/2018 –

Para colaborar com a redução de poluentes nos rios, a Sociedade Ecológica Amigos de Embu – SEAE, em parceria com a Infra Verde, promove no próximo dia 18 (sábado) novo curso “Saneamento Ecológico – Jardins Filtrantes”, que visa abordar teoria e prática para construir uma estação de tratamento ecológico de esgoto residencial, que usa, entre os elementos, plantas com raízes purificadoras.

O curso será realizado na sede da ONG SEAE, localizada na região central de Embu das Artes, Grande São Paulo, que receberá a instalação em seu próprio sistema hidráulico.

As informações serão ministradas por Rodolfo Almeida, ambientalista, diretor do Canal Infra Verde e presidente à frente da SEAE e não é necessário nenhum conhecimento prévio: todas as técnicas serão compartilhadas de modo interativo, para que os participantes entendam os conceitos e sejam capacitados a realizarem os procedimentos em sua própria residência.

O saneamento através de biossistema, que soma o biodigestor com a zona de raízes, devolve o esgoto tratado e purificado para que não cause impacto ao meio ambiente. Ele pode ser instalado próximo da casa, não gera odores, não atrai insetos e ainda se torna um lindo jardim florido.

Os custos para a construção de uma estação ecológica residencial são basicamente os mesmos ou até mais baratos do que uma estação convencional. O resultado se estende para um menor custo para o tratamento de potabilidade da água que abastece as cidades, tanto para o governo, como para empresas de tratamento e para o cidadão comum.

SOLUÇÕES BASEADAS NA NATUREZA

Os jardins filtrantes (wetlands construídos) ou zona de raízes, representam a expressão “Soluções baseadas na Natureza (SbN)”, que são obras conhecidas como infraestruturas verdes, inspiradas e apoiadas pela natureza, que usam ou simulam processos naturais a fim de solucionar problemas ambientais.

Os wetlands são sistemas de tratamento de esgoto que utilizam plantas como principal diferencial e foram inspirados nos brejos. Eles fazem com que o excesso de nutrientes (adubo) dos efluentes sejam absorvidos pelas raízes das plantas, em geral plantas acostumadas solos encharcados (macrófitas). São constituídos por tanques, lagoas ou canais rasos, preenchidos por um meio filtrante poroso e inerte (areia, cascalho, pedra, solo, etc.) – onde há a formação de bactérias (biofilme) onde ocorre o tratamento por processos biológicos, químicos e físicos.

Em seu relatório para a gestão de recursos hídricos de 2018, a Organização das Nações Unidas (ONU) defende o uso de SbN para contribuir com o aperfeiçoamento da gestão da água e elege estas ações como prioritárias para o cumprimento da agenda para os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), estipulados para 2030.

O saneamento ecológico é alinhado diretamente com os ODS’s 06 (acesso a água limpa e saneamento) e 03 (saúde e bem-estar); e indiretamente com os ODS’s 11 (cidades sustentáveis) e 14 (proteção a vida dentro d’água), entre outros.

Na cidade de Embu das Artes, o retrato do saneamento básico não é animador e se repete em cidades vizinhas: cerca de 50% de todo o esgoto é coletado e, deste, menos da metade é tratado. O Rio Embu Mirim fornece 33 % de toda a água da Guarapiranga e o Ribeirão da Ressaca, que passa pelo centro da cidade, é seu mais importante afluente, em condições inaceitáveis.

Diante deste cenário, o saneamento ecológico com jardins filtrantes chega como uma importante solução alternativa.

As vagas são limitadas. Para participar é necessário realizar a inscrição no site da SEAE: www.seaembu.org.

Associados da SEAE têm desconto de R$ 50,00 e todo o valor arrecadado será revertido para a manutenção da ONG, que atua especialmente com educação ambiental e fiscalização de crimes contra o meio ambiente.

SERVIÇO

Curso “Saneamento Ecológico – Jardins Filtrantes”

Data: 18/08/2018, das 08h às 18h

Local: Sociedade Ecológica Amigos de Embu – SEAE: João Batista Medina, 358, Centro, Embu das Artes.

Mais informações e inscrições: www.seaembu.org

SOBRE A SEAE

Criada por moradores na metade da década de 70, a SEAE atua na preservação ambiental de Embu e região, para estimular e ampliar os processos de transformação socioambiental, cultural e econômica, por meio de processos educacionais participativos e inclusivos, fomentando a atuação em políticas públicas, visando a conservação, recuperação e defesa do meio ambiente.

SOBRE A INFRA VERDE

A Infra Verde difunde informações de Infraestrutura Verde, como técnicas para mitigar os impactos da sociedade na água, ar e solo, por meio de tecnologias que se inspiram na natureza. Atua com serviços ambientais para projetos paisagísticos, paisagismo funcional e beleza ao ambiente construído. Foi uma das empresas vencedoras do prêmio Espaço Startup, no Congresso ABES Fenasan 2017, em São Paulo.

SOBRE RODOLFO ALMEIDA

Empresário, ambientalista, presidente da OSCIP Sociedade Ecológica Amigos de Embu e diretor do Canal Infra Verde. Conselheiro nos conselhos COMAM – Conselho do Meio Ambiente Municipal de Embu das artes, CGAEV – Conselho Gestor da APA Embu Verde, RBCV – Reserva da Biosfera do Cinturão verde de São Paulo, CBH-AT – Comitê de Bacia Hidrográfica Alto Tietê.

Website: http://seaembu.org

Compartilhe: